Na Hipocrisia do mundo você se descobre,
e, se encontra, quando vive um grande amor
Vicente Alencar

segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

A origem da palavra BUNDA é Africana

Rui Pereira11 de janeiro de 2014 14:07
A origem da palavra BUNDA é Africana.

Os responsáveis pelo conceito contemporâneo do vocábulo "bunda" como sinônimo de nádegas, são os africanos. 

Mais especificamente os angolanos e os cabo-verdianos, quando aqui chegaram durante a escravidão.
Foi assim:

Naquela época, a palavra bunda não existia. Os portugueses, quando queriam falar a respeito do traseiro de uma cachopa, diziam "nádegas" .

Aí, os escravos angolanos e cabo-verdianos chegaram ao Brasil.

Só que eles não eram conhecidos como angolanos nem cabo-verdianos. Eram
conhecidos como povos bantos, também 
chamados bundos, que falavam o idioma
ambundo ou quimbundo.

Na verdade, a portuguesada se referia a eles como "povo banto de Angola" ou "povo bundo de Angola", e à língua como "língua banta dos bundos" ou simplesmente "língua bunda".

Tempos depois, alcunhavam qualquer língua dos povos negros africanos de "bunda".
Os bundos, em especial as mulheres, possuíam a região glútea muito mais sólida, avantajada e globosa do que a dos povos que aqui já residiam.

E os portugueses, que ao contrário do que se acredita não são bobos, logo encompridaram os olhares para as nádegas das mulheres bundas. 

Acostumados a se decepcionar com os acanhados glúteos de suas conterrâneas, camuflados sob camadas de anáguas, quando

uma representante do povo bundo passava diante de uma patota de individuos eles comentavam:

- Que buuunda!
Desse jeito, em pouco tempo, a palavra bunda,

antes designação das mulheres de um povo, passou a ser sinônimo de nádegas.

3 comentários:

JOSE CAMARGO CAMARGO disse...

BUNDA...Significado da palavra.
Os responsáveis pelo conceito contemporâneo do vocábulo "bunda" como sinônimo de nádegas, são os africanos.

Veja a Bunda que passa
Toda faceira cheia de graça
É ela desfilando na Praça
Mostrando a Beleza da raça
Olhando por trás com admiração

Às vezes parece um “coração”
Com uma divisa da parte a mostra
Bem dividida com leve depressão
Juntadas e em partes iguais
Igual dois continentes horizontais

Deitadas na areia lembram Sereias
Não estão a dourar ou queimar
Pois a sua falta de cor
Já é um honor e louvor
Uma obra “prima” do Criador.










JOSE CAMARGO CAMARGO disse...

VICENTE ...Boa tarde... Tenho mais 56 POEMAS PROSAS E POESIA.... Quer Publicar ????....Divdi remos os "louros"
Grato Jose CAMARGO cAMARGO..... mervel.juca@bol.com.br

Rubião disse...

Belíssimo poema Camargo
e sem dó da musa
Bunda inspira qqer um

kkkkkk