Na Hipocrisia do mundo você se descobre,
e, se encontra, quando vive um grande amor
Vicente Alencar

terça-feira, 15 de maio de 2018

FOLHETIM UBE RJ - MAIO 2018

FOLHETIM UBE RJ -  MAIO 2018
EDITORIAL
Homenagem às mães - a mulher brasileira de todos os tempos.
 
“Venho do século passado e trago comigo todas as idades”
Cora Coralina.
OFERTAS DE ANINHA
                        (Aos moços)

Eu sou aquela mulher 
a quem o tempo 
muito ensinou. 
Ensinou a amar a vida. 
Não desistir da luta. 
Recomeçar na derrota. 
Renunciar a palavras e pensamentos negativos. 
Acreditar nos valores humanos. 
Ser otimista.
        Creio numa força imanente 

        que vai ligando a família humana 
        numa corrente luminosa 
        de fraternidade universal. 
        Creio na solidariedade humana. 
        Creio na superação dos erros 
        e angústias do presente.
Acredito nos moços. 

Exalto sua confiança, 
generosidade e idealismo. 
Creio nos milagres da ciência 
e na descoberta de uma profilaxia 
futura dos erros e violências do presente.
        Aprendi que mais vale lutar 

        Do que recolher dinheiro fácil. 
        Antes acreditar do que duvidar.
 
Cora Coralina, no livro "Vintém de cobre: meias confissões de Aninha". 6ª ed., São Paulo: Global Editora, 1997, p.145.
 
Cora Coralina, pseudônimo de Ana Lins dos Guimarães Peixoto Bretas, Cidade de Goiás GO, 20 /8/1889 - 10 /4/1985. Poeta e contista. Passa a infância e adolescência na Cidade de Goiás. É educada em casa por uma mestre-escola, cursando os quatro primeiros anos primários. Aos 14 anos publica contos e poemas em periódicos da cidade, como Cora Coralina. Frequenta o "Clube Literário Goiano", onde conhece Cantídio T. de F. Bretas, e, em 1911, foge com ele para SP; casam-se em 1926. Escreve para jornais de Avaré e Jaboticabal. Com a morte do marido, vai para São Paulo e torna-se vendedora de livros na editora de José Olympio (1902/1990). Na década de 40, volta Goiás, tornando-se doceira. Em 1965, aos 76 anos, publica, pela primeira vez, seus escritos (Poemas dos Becos de Goiás e estórias mais) pela editora José Olympio. Em 1983 recebe o título de Doutora Honoris Causa da Universidade Federal de Goiás (UFG), e torna-se a primeira mulher a vencer o prêmio Juca Pato, com o livro Vintém de Cobre - Meias Confissões de Aninha.
                                                Comissão de Redação 

segunda-feira, 14 de maio de 2018

DISCURSO DE JOSE AUGUSTO BEZERRA APÓS RECEBER O TITULO DE ORADOR MODELO NA ACADEMIA CEARENSE DE RETÓRICA

Agradecimento pela homenagem no Dia do Orador e pela outorga da Medalha de Orador Modelo.

Saúdo as autoridades da mesa diretora dos trabalhos, na figura de Suzana Ribeiro, a centenária primeira dama da cultura cearense. Saúdo as demais personalidades que preenchem os recantos deste auditório que há pouco era apenas um sonho e hoje é uma agradável realidade.
Seria desnecessário dizer da honra de receber esta comenda, pois o seu significado transcende uma mera formalidade.
Agradeço a presença de familiares, Acadêmicos de várias Academias, de estudantes de alguns colégios, de membros do Rotary e da Maçonaria, de personalidades de outros estados e do exterior, representados pela historiadora Ingrid Schwamborn, e comitiva alemã, empresários, senhoras e senhores!
Quando celebramos a figura do orador, estamos homenageando também a palavra. O orador tão somente  as retira do seu íntimo e as transforma em flechas que adentram mentes e corações para mudar o mundo.
Não são flechas comuns. Feitas com pensamentos, vão embebidas nas paixões humanas, com feitiços e poderes. Vejam o Cupido, se formos atingidos pela flechada daquele anjinho peralta, e ouvirmos algo como “eu te amo” da pessoa desejada, estamos perdidos. Logo seremos escravos!
Na Grécia antiga era comum, nas praças públicas, os grandes debates de oratória, onde titãs da eloquência porfiavam, em batalhas mortais, como se as palavras fossem armas de ataque e de defesa. Daí nasciam ídolos e se escolhiam os caminhos a serem percorridos pela nação. No campo internacional, gênios moldaram suas épocas pela capacidade de persuasão de cada um. Péricles, um homem simples, era dotado de tal poder de convencimento que o seu tempo, auge da democracia e da grandeza de Atenas, ficou conhecido como o século de Péricles. Alexandre  Magno, discípulo do filósofo Aristóteles, foi ensinado a vencer pela espada e a consolidar o poder pela palavra. Assim conquistou todo o mundo conhecido da antiguidade. Júlio Cesar, o grande general romano, era tido pelo próprio Cícero, como o maior orador da sua época e a queda do grande império começou pela ausência da sua palavra, segura e respeitada. Nenhum grande da história foi pequeno na esgrima das palavras. Lembro a França e vem-me à mente Voltaire, quando proclamava: Não concordo com uma só palavra do que dizes, mas defenderei até a morte o direito de dizê-las. Recordo a Inglaterra na II Guerra Mundial, e lembro Winston Churchill, ao pedir aos ingleses que, como ele, quando necessário, estivessem prontos para dar ao seu país “sangue, suor e lágrimas”. A Alemanha foi hipnotizada pelas oratória de Hitler, num estilo gongórico  e nacionalista. Terminou  por ganhar as eleições e aprovar suas ideias em plebiscitos. Ou seja, antes das armas, Hitler venceu primeiro pelas palavras. Observo os reis, ditadores e falsos democratas, de ontem e de hoje, que são os discípulos, velhos e novos, de Maquiavel e de suas palavras, que ensinavam: “Os fins justificam os meios”. Dos Estados Unidos recordo John Kennedy, verberando: “Não perguntem o que a América pode fazer por vocês, mas o que vocês podem fazer pela América”. O Brasil, na realidade, iniciou a sua independencia  com as palavras de Tiradentes, ditas com altivez, perante o cadafalso e a morte: “Se mil vidas eu tivesse, mil vidas eu daria pela libertação da minha Pátria”. Finalizando esta rápida seleção, digo que para entendermos a força do verbo, basta saber que o único homem que dividiu a história em antes e depois dele, Jesus Cristo, não tinha poder econômico, político ou militar. Só tinha a palavra!  
Em nosso país tivemos sempre um celeiro de grandes oradores. Na época colonial, ressaltamos a figura do Padre Vieira, o apóstolo dos índios, cujo dia é comemorado hoje. No primeiro Império, destacamos Gonçalves Ledo, um dos pais da Independência; no segundo Império, Joaquim Nabuco, um dos patriarcas da Abolição da escravatura e, Silveira Martins, o orador esquecido, chamado o Sansão do Império e que após a queda da monarquia, tornou-se o líder da Revolução Federalista, que quase derrubou a República. Em Silveira Martins tudo era grandioso e colossal, havendo ele mesmo se autodefinido dizendo “...sou como o Jequitibá da floresta e o machado que me derrubar, haverá de ficar quebrado”. Considero-o um dos maiores oradores brasileiros, em todos os tempos.
A Republica fez brotar muitos artífices da palavra. Lembraremos alguns. Começamos por Rui Barbosa, o Águia de Haia e o guardião da Constituição brasileira. Depois, Epitácio Pessoa, o primeiro Presidente civil eleito, o homem que pacificou a Nação e que foi colocado, por sua oratória, entre os patriarcas da República. Também Coelho Neto, um gigante da nossa literatura, que possuia a mesma grandeza na tribuna, seja literária, seja política. João Neves, sobre ele registrou: o encanto da sua voz tinha o mistério das seduções e em seus lábios, palavras como Pátria, liberdade  e poesia, possuíam sonoridades desconhecidas, que nunca ninguém conseguiu imitar. Embora devêssemos mencionar muitos outros, concluo com Carlos Lacerda, cuja oratória contundente superou a de todos os políticos brasileiros modernos. Suas palavras temidas eram como terremotos avassaladores, que  destruíam as forças que a ele se opunham.
Desçamos agora o olhar sobre a nossa terra e a nossa gente.  Primeiramente, sobre a Academia de Retórica, que hoje, dia do orador e dia do índio, aniversaria. Única do gênero no Brasil, mostra a vocação do Ceará para a arte da eloquência. Qualquer membro dessa entidade, portanto, e muitos outros cearenses fora dela, estariam aptos a receber o título que me é outorgado e pelo qual sou profundamente agradecido. Assim dizendo, mencionaremos, de passagem, alguns dos nossos grandes oradores aqui presentes, como referências dessa paixão pela palavra. É uma pena que a grande maioria deixará de ser mencionada, por questão de tempo e de protocolo.   
Lembramos que o cearense, literariamente, é o único povo brasileiro filho de uma lenda. Contada por José de Alencar, devemos, orgulhosamente, preservar essa tradição  que nos distingue dos demais estados do Brasil. 
De acordo com a lenda, descendemos, entre outros,  dos bravos Pitiguaras e Tabajaras, que habitavam este solo sagrado, antes da chegada dos guerreiros brancos, chamados cabelos do sol, ou guaraciabas, na língua Tupi. 
Como hoje é o dia do índio, gostaríamos de fazer algo diferente e mesmo ousado. Recriar, numa prosa poética, a realidade presente, falando dos guerreiros que usam as palavras, a partir da lenda de Iracema, numa conexão entre a poesia e a realidade.
Imaginariamente, portanto, este auditório seria uma arena de competições, onde bravos têm cantado cânticos de guerra e hoje, no dia do índio, nela estaríamos participando de uma festa sagrada, com muitas tribos convidadas. Um distinguido pajé, chamado Vicente Alencar, descendente do autor da Lenda do Ceará, encaminhou os rituais, que se iniciaram com a fala do cacique da tribo da Retórica, Maurício Benevides, Corifeu dos  Retores Cearenses e comandante do encontro. Tinha ele o porte de Rei, e era conhecido por sua vasta cultura, riqueza de vocabulário e voz poderosa. Estava sentado por trás da fogueira principal, atualmente substituída pela mesa moderna. Rodeava-o outros chefes, entre os quais um ilustre guerreiro, seu irmão, da tribo dos políticos, Mauro Benevides, anterior cacique da tribo do Congresso Brasileiro, onde também foi o cacique número dois do grupo de chefes que fizeram a Constituição atual, que rege as milhares de tribos da nação mãe, chamada Brasil. Logo após, o pagé convidou o segundo em prestígio no grande conselho: Neuzemar Gomes de Moraes, da gloriosa tribo dos advogados. Por entre sussurros e comentários todos sabiam que suas palavras seriam flechas ornadas de beleza e precisão, admiradas aquém e além mar, e que há pouco entoou um cântico tão forte e tão belo na nação Portuguesa, que o eco da sua cantoria foi ouvido nos dois continentes. Neuzemar falou em nome dos guerreiros presentes, homenageando o orador José Augusto Bezerra, da tribo dos bibliófilos,  que agradeceu, do fundo do coração, a beleza do que foi dito e o troféu que lhe foi entregue, mencionando na sua mensagem que entre os bravos que entoam cânticos guerreiros, muitos deveriam ser homenageados por suas excelsas virtudes, porquanto o povo cearense é reconhecido por sua habilidade com as palavras, quer faladas, quer escritas. O homenageado destacou alguns desses bravos, presentes, começando por Juarez Leitão, da importante tribo dos professores, que, quando jovem, por entre as paredes silenciosas do secular Seminário de Sobral, descobriu uma botija com os segredos iniciáticos da oratória. Enriquecido pelo tesouro (a sabedoria), encontrado na botija, aprimorou lentamente sua arte, a tal ponto que suas palestras se tornaram também formidáveis atrações culturais. Inclusive nessa mesma arena de batalhas do torneio desta noite, já travou ele emocionantes pelejas e sua voz sempre rugiu forte como os trovões e cintilante como os relâmpagos das noites de chuvas do Ceará;  Depois, o homenageado falou de Ubiratan Aguiar, atual cacique da tribo dos acadêmicos. A origem do nome Ubiratan, na língua Tupi, está ligada a força e bravura. Saiu da sua cidade do Cedro, na região dos índios Cariris. Extrapolou as fronteiras do Ceará e conquistou tudo na vida, unicamente com suas palavras maviosas, cuja doçura aprendeu ouvindo o cantar da juriti nas manhãs de inverno do nosso sertão; Tales de Sá Cavalcante, um dos caciques da tribo dos educadores. Famoso porque os rapazes e moças (curumins e cunhãs), que com ele aprendem, têm-se tornado vitoriosos em competições por todo o Brasil. Seu colégio, que coincidentemente aniversaria hoje, no dia do índio, criou uma disciplina para ensinar os alunos a usar as palavras certas, para, na batalha da vida, saírem triunfantes. Orienta-se por uma antiga tradição Tupy, pois Jean de Lery o primeiro viajante a escrever sobre os índios no Brasil, explica que os chefes dos nativos eram escolhidos entre os mais bem falantes, pois influenciavam os demais;  Linhares Filho, um príncipe da tribo encantada dos poetas. Dizem que as palavras desse grupo são como o licor da jurema, mencionado por Alencar, capaz de produzir sonhos tão vivos e intensos, que as pessoas sentem as delícias das suas imaginações como se fossem realidades; Silvio Paiva, aqui presente, o grande mestre da tribo maçônica, cheia de mistérios e famosa por oradores revolucionários, que enfrentaram poderosos e implantaram regimes libertadores por todo o mundo. No Brasil, deu-nos o primeiro Imperador, o primeiro Presidente da República e idealistas imortais, como o Barão do Rio Branco, Patrono da Diplomacia Brasileira e José do Patrocínio, O Tigre da Abolição da Escravatura. Os maçons também reverenciam, com centenas de templos por todo o País, o Marechal Rondon, heróico protetor dos Índios brasileiros; Fernando Ximenes,  decano da seleta tribo dos senhores da lei. Na tradição indígena esse grupo era formado pelo Venerando Conselho de Anciãos, cheio de sabedoria, que detinha a responsabilidade, tão necessária entre os humanos, de fazer justiça e manter o equilíbrio social. Há pouco, na grande taba do Instituto do Ceará, ao cantar a epopeia do surgimento daquele povo, Fernando Ximenes proferiu um Cântico que viverá nas memórias da chamada morada do Barão de Studart, um dos pioneiros da célebre tribo;  finalmente, uma mulher, Adísia Sá, da importante tribo dos jornalistas. Sua voz ressoa como o búzio da nação dos Pitiguaras. Um canto de guerra ouvido nas batalhas, por entre choques e entrechoques de duros combates. Essa guerreira, pequena de corpo e gigante espiritualmente, tornou-se um mito. Símbolo da coragem e competência da mulher contemporânea, está inscrita, desde já, em vida, no panteão dos cearenses imortais.
Antes do pajé dar por findo o encontro dedicado a Tupã, o agraciado encerrou sua participação com a última frase da Lenda do Ceará. Disse que precisava recordá-la para nunca perdermos a humildade perante as vitórias da vida, porquanto as últimas palavras da nossa lenda lembram “que tudo passa sobre a terra”... 
Finalmente, amigos e amigas, voltando à realidade e ainda dentro do prazo de 25 minutos que me foi disponibilizado, estamos terminando essa viagem que fizemos, juntos, no tempo e no espaço. E só pela palavra isso foi possível.
Em alguns momentos tivemos de inovar na forma de dizer, pois assim fez o poeta de Iracema. Procuramos valorizar o nosso passado, tão desconhecido, mormente dos estudantes,  pois cremos que tal o pintor, que tira de dentro de si as cores para sua obra, o orador igualmente, como um artista, deve deixar com os ouvintes não apenas as suas palavras, mas, também, um pouco da sua alma!
Muito obrigado,
José Augusto Bezerra – 19/04/2018. 

segunda-feira, 7 de maio de 2018

Coletiva de imprensa marca lançamento de documento da ABC aos presidenciáveis







POLÍTICA DE CT&I
Coletiva de imprensa marca lançamento de documento da ABC aos presidenciáveis
O presidente da ABC e alguns coautores do documento estarão presentes durante a Reunião Magna, no dia 9 de maio, de 10h às 12h, respondendo aos jornalistas. ABC convidará os candidatos à Presidência da República a vir receber o documento em encontros com os Acadêmicos.




CIÊNCIA BRASILEIRA
Última chamada para a Reunião Magna 2018 | Imaginando o Futuro
Confira o convite do Acadêmico José Roberto Boisson de Marca para a Reunião Magna de 2018, que acontecerá nos dias 8, 9 e 10 de maio, no Museu do Amanhã.




DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA
ABC lança primeiro vídeo do projeto Ciência Gera Desenvolvimento
A iniciativa prevê a criação uma série de vídeos curtos e dinâmicos que mostram, com exemplos reais, como a ciência pode ser traduzida em benefícios palpáveis para todo um país. O primeiro vídeo da séria fala sobre as descobertas da engenheira agrônoma Johanna Döbereiner .




POR DENTRO DA ABC
IDOR é novo Membro Institucional da ABC
A vice-presidente do Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino, Fernanda Tovar Moll , receberá o certificado e assinará o termo de compromisso na cerimônia de posse dos novos membros, no dia 9 de maio, durante a Reunião Magna.




DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA
Vamos publicar nos Anais da Academia Brasileira de Ciências?
O editor chefe dos Anais da ABC e diretor do Museu Nacional da UFRJ, Alexander Kellner , fala sobre a relevância do periódico científico e incentiva pares a divulgarem os artigos publicados.




CIÊNCIA NA MÍDIA
Museu Nacional, que vai completar 200 anos, precisa de reformas
O novo diretor da instituição, o Acadêmico Alexander Kellner , deu entrevista ao Jornal das Dez, da Globo News, falando dos problemas de verba e na estrutura do palácio.




CIÊNCIA BRASILEIRA
Acadêmico recebe título de Doutor Honoris causa de universidade francesa
O engenheiro Renato Machado Cotta receberá a nomeação da Universidade de Reims Champagne-Ardenne, na França. A cerimônia será no dia 25 de outubro.




DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA
Presidente da ABC se apresenta no “Ciência às Seis e Meia”
Luiz Davidovich falou sobre a evolução e as descobertas científicas relativas à luz em palestra intitulada "O Intrigante Mundo da Luz". O programa é uma parceria da SBPC com o Museu do Amanhã.




POLÍTICA DE CT&I
Academia de Ciências da Nicarágua denuncia violência contra estudantes
A Academia entende que a morte e perseguição desses estudantes, ocorridas nas últimas manifestações no país, são um atentado à população da Nicarágua e à comunidade acadêmica.




CIÊNCIA NA MÍDIA
A matemática deve estar sempre presente
O Acadêmico e diretor do IMPA Marcelo Viana fala sobre a importância da educação desde a infância e conta como seus professores, desde o primário, tiveram influência em sua carreira. O matemático é colunista do jornal Folha de São Paulo.




FALECIMENTO
Acadêmico morre aos 89 anos
O matemático alagoano Manfredo do Carmo, pesquisador do IMPA, foi o responsável pela criação e consolidação do campo da geometria diferencial como área de pesquisa no Brasil.


 
 
Acompanhe os próximos eventos da ABC
MAIO
Reunião Magna 2018
8 a 10 de maio | Museu do Amanhã
JUNHO
 
 
 
 
Notícias da ABC é um informativo periódico da Academia Brasileira de Ciências.
Contato: nabc@abc.org.br
Responsável: Elisa Oswaldo-Cruz

COLUNA DO VICENTE ALENCAR EDIÇÃO Nº 1269

COLUNA DO VICENTE ALENCAR
EDIÇÃO Nº 1269
SEGUNDA-FEIRA 07/05/2018
FORTALEZA - Loura desposada do Sol.
CEARÁ - Terra da Luz.
NORDESTE - Berço dos grandes Valores.
BRASIL - A procura de melhores dirigentes há 25 anos.
AMÉRICA DO SUL - Nós somos sulamericanos.

SÁBADO DIA 12 DE MAIO - PARABÉNS A APCDEC.

Hoje: 
- Dia Mundial de Orações pelas Vocações.
- Dia do Ex-Combatente - nossos pracinhas.
- Dia do Silêncio.
- Dia da Oftalmologia.
- Dia Nacional da Prevenção da Alergia.

- Dia de Santa Flávio Domitila.
- Dia de Santo Augusto.
- Dia de São Juvenal.

Leia:
"A Educação sempre será a melhor de todas as heranças"(Evaldo Alencar Reis).

CONVITE MISSA - 7º DIA
A família da falecida Senhora Maria Diniz de Agiar (Dona LIQUINHA) informa que a missa de Sétimo dia em sufrágio de sua alma, acontecerá nesta TERÇA-FEIRA às 19 horas na 
Igreja Cristo Rei, que se localiza na Praça do Colégio Militar.
São convidados a comparecer além dos familiares, todos os
amigos da familia.

A TERÇA-FEIRA EM PROSA E VERSO
deste mês de maio será realizana nesta terça-feira, dia 8 de maio, às 9 horas e 30 minutos na sede da Academia Cearense de Letras - Rua do Rosário, 1, olhando para a 
Igreja do Rosário, no Centro. Terminará as 11 horas e 30 minutos. Coortdenação da Escritora Margarida Alencar e do Jornalista Vicente Alencar. sua presença será muito importante.

AGENDA CULTURAL DO MÊS DE MAIO:

Dia 7 - Segunda-Feira:
9h50min - Reunião do Colégio dos Presidentes.
Local: Academia Cearense de Letras.

22 horas - Programa Vicente Alencar.
Rádio Assunção AM 620. Também na INTERNET, no seu CELULAR através do aplicativo.

Dia 8 - Terça-Feira:
9h30min às 11h30min: TERÇA-FEIRA EM PROSA E VERSO.
para poetas, escritores, estudantes, professores, artistas e todos aqueles que gostam de Cultura.
Local: Academia Cearense de Letras - Rua do Rosário, 1.
Centro.

Dia 9 - Quarta-Feira;
Reunião da Academia Cearense de Cultura e 
Arte - ACCA.
Local: Espaço Cultural Dona Antonieta Sousa - Aldeota.
Horário; 16 horas.

Dia 10 - Quinta-Feira:
Lançamento do livro TODOS OS DIAS SÃO DIFICEIS NA BARBURIA, do escritor cearense Marcio Catunda.
Local: Teatro José de Alencar - Praça José de Alencar;
Horário: 19 horas.

        
Atenção! 
Estão abertas na Casa de Juvenal Galeno, Rua General Sampaio, 1128, às inscrições para o FESTIVAL JUNINO DA CANÇÃO, que será realizado no mês de JULHO. procurar Senhora PARENTE no horário comercial até as 16 horas.

HOJE A DATA DE ANIVERSARIO 
de Castro Barbosa  um cantor brasileiro e excelente
humorista tendo participado do Programa PRK-30 
inicialmente apresentado pela Rádio Mayrinque  Veiga, do Rio de Janeiro. Foi irmão do Cantor luiz Barbosa e do humorista  Barbosa Junior. Castro Barbosa nasceu em 07 de maio de 1905 em Sabará (Minas Gerais) e morreu em 20 de abril de 1975 no Rio de Janeiro. ele foi o interprete de O TEU CABELO NÃO NEGA,de Lamartine Babo.

HOJE TAMBEM O ANIVERSÁRIO
de Pyotr Ilyich TCHAIKOVSKY o notável piansta e compositor russo. Ele nasceu em  07 de Maio de 1840
em Vyatka guberniya, hoje Russia e morreu em st. Petersburgh em 6 de Novembro de 1893.

Atenção!
Estão abertas na Casa de Juvenal Galeno as inscrições para o Prêmio Literário Lima Freitas, em Poesia e Prosa.

FUME. FUME MUitO, VOCÊ MORRERÁ MAIS CEDO E DEIXARÁ O AR MAIS LIMPO PARA OS DEMAIS SEMELHANTES. PENSE NISSO!

LEMBRE-SE:
Estamos no mês de Maio.
- Mês de Maria.
- Mês das Noivas.
- Mês do Dia das Mães (segundo domingo).

Comuniqui-se conosco:
vicentealencar25@yahoo.com.br






NU.ECO 4/5: Pelo Náutico (tombado), Pça. Portugal e Iracema Plaza Hotel (tombado)

Caros parceiros de luta em defesa do Náutico, Praça Portugal e Iracema Plaza Hotel.

As movimentações que ocorreram na curta semana passada, espremida pelo feriado de 1° de maio, se concentraram em torno da Ação Civil Pública – ACP promovida pelo titular da I Promotoria Especializada do Meio Ambiente, Planejamento Urbano e Patrimônio Histórico do Ministério Público – MP-CE, a princípio contra a Direção do Náutico e a Prefeitura de Fortaleza.

Por que a princípio?
Esta ação teria o propósito de defender o tombamento integral do Clube Náutico, o qual, sob a ótica do Direito Administrativo, considerando que o Decreto Municipal 13.038/2012 foi assinado pela Prefeita Luizianne Lins / PTindicando o endereço do clube, admitiria uma interpretação pró societta de que suas instalações estariam por completo tombadas. Mas amigos, esta não era a suposta verdadeira intenção do titular da I Promotoria Especializada do Meio Ambiente, Planejamento Urbano e Patrimônio Histórico do Ministério Público – MP-CE.
Este promotor teria firmado em 2010 com a Direção do NáuticoTermo de Ajustamento de Conduta – TAC em que, devido à instalação de “outdoors” na frente de sua sede social, precisou retirá-los em cumprimento ao disposto na Lei do Patrimônio, que não admite impedimento visual do bem tombado na área protegida pelo tombamento. Na oportunidade, surgiu pela primeira vez texto que foi perniciosamente usado em outras discussões, de impacto mais relevante, quanto ao interesse de proteção da linha visual do clube: apenas a frente da I etapa da sede social, exatamente a que se encontrava prejudicada pelo posicionamento dos referidos “outdoors”.
Mas que área se encontra efetivamente protegida pelo tombamento municipal do Clube Náutico?
De acordo com a Instrução de Tombamento, o bem tombado consiste na sede social, incluindo expansão que vai até a Av. Beira Mar, e pitoresca construção com base em colunas romanas (COLUNATA) que corta o clube até a confluência do Ginásio Meton Cesar de Vasconcelos (impressionante que referido ginásio carregue nome de alguém ainda vivo enquanto muitos nomes de quem já partiu, mas de relevância para a história do clube, não tenham ainda sido homenageados) e a Av. Abolição. Ainda de acordo com esta Instrução de Tombamento, é área de entorno do bem tombado todo o restante das instalações do clube mais o Supermercado Pão de Açúcar Náutico, a Praça Dr. Moreira de Sousa (antiga Praça Matias Beck) e três esquinas com prédios multifamiliares, sendo que um deles foi demolido pela Construtora ENGEXATA (olha a política aí: um dos sócios da construtora é o Prefeito de Itapipoca).
Em face de ação judicial promovida pela Direção do Náutico contra a Prefeitura de Fortaleza, ao invés de o clube aproveitar a isenção de 100% de IPTU oferecida pela então gestão municipal por intermédio da Lei do Patrimônio, desde que reconhecido o tombamento do clube, a ganância pela oportunidade de viabilização de empreendimento imobiliário no lugar das históricas instalações do Náutico fez com que o tombamento municipal fosse judicialmente contestado. Esta ação só se encerrou mediante a assinatura de Acordo Extrajudicial firmado entre a Direção do Náutico e a Procuradoria Geral do Município – PGM, que embora considere bases ao arrepio da lei, foi anuído pelo Ministério Público do Ceará. E quem era o representante que anuiu em nome do órgão ministerial ?
Ha, há, há, há! O titular da I Promotoria Especializada do Meio Ambiente, Planejamento Urbano e Patrimônio Histórico do Ministério Público – MP-CE. Através deste escuso Acordo, ao contrário do TAC, negociou-se direitos e interesses indisponíveis da sociedade como se os representantes das partes tivessem autoridade para firmar a TRANSAÇÃO EXTRAJUDUCIAL. Mas o titular da I Promotoria Especializada do Meio Ambiente, Planejamento Urbano e Patrimônio Histórico do Ministério Público – MP-CE fez a gentileza de acostar sua assinatura em anuência do órgão, conforme consta na redação do documento firmado, e a Justiça Estadualdecidiu homologar em juízo por meio de sentença que transitou em julgado.
Bem, sem entrar muito no mérito das supostas ilicitudes cometidas no acordo em questão, o fato é que há ação anulatória em curso cujo status se encontra em sede de Recurso Especial junto ao Superior Tribunal de Justiça – STJ, já com parecer do Ministério Público Federal – MPF favorável ao retorno do processo para a segunda instância, restabelecendo assim liminar que impede a alteração física do clube por sua Direção e pela própria Prefeitura de Fortaleza, agora próxima aos interesses das construtoras e da Direção do Náutico em face da mudança de gestão.
Então, voltando à ACP, o que veio a ocorrer, por mais absurdo que aparentemente pudesse parecer, foi a contestação do feito pela Direção do Náutico e a Prefeitura de Fortaleza, considerando a mudança de gestão, tendo o titular da I Promotoria Especializada do Meio Ambiente, Planejamento Urbano e Patrimônio Históricodo Ministério Público – MP-CE, PASMEM, de imediato concordado com os requeridos mesmo sendo previamente cientificado pela sociedade civil organizada de termos técnicos a assegurar alcance de tombamento bem distinto do reduzido nível de proteção com o qual aquiesceu no feito.
Ora, senhores, duas cidadãs integrantes do Movimento Náutico Urgente ingressaram com pedido de admissão na lide na condição de formação de litisconsórcio ativo facultativo ulterior com base na doutrina de Hugo Nigri Mazilli. Não sendo admitidas, ingressaram com embargos de terceiros juridicamente prejudicados, exatamente pela decisão que as impediu de ingressar no feito, prolatada estranhamente em conjunto com a sentença preliminar do processo, que restou embargada exatamente pelas referidas cidadãs.
Além disto, as referidas cidadãs abriram Incidente de Impedimento do promotor, pois aí descobriram a suposta “marmota” do titular da I Promotoria Especializada do Meio Ambiente, Planejamento Urbano e Patrimônio Histórico do Ministério Público – MP-CE, que ao aquiescer de forma muito estranha contra as teses que defendia, instigaram as cidadãs a ver o histórico dos processos, o que possibilitou descobrirem o famigerado Acordo Extrajudicial homologado em juízo com a assinatura do dito cujo promotor, em oposição às teses que combatera na ACP e, logo na primeira oportunidade, aquiescera com os requeridos.
Quase três anos se passaram desde que a sentença preliminar foi prolatada e, concomitantemente, em face de processos administrativos disciplinares abertos por vários cidadãos contra o titular da I Promotoria Especializada do Meio Ambiente, Planejamento Urbano e Patrimônio Histórico do Ministério Público – MP-CE, este fugiu de se posicionar nos autos até meados do ano passado, quando imaginava ter enterrado os obstáculos disciplinares com julgamento de sua conduta por seus pares sem análise de mérito.
Logo após a rejeição do tombamento estadual do Clube Náutico pelo Conselho de Preservação do Patrimônio Cultural – COEPA, objeto de recurso administrativo pelo Movimento Náutico Urgente, vem então o titular da I Promotoria Especializada do Meio Ambiente, Planejamento Urbano e Patrimônio Histórico do Ministério Público – MP-CE acusar, nos autos da ACP, o princípio da razoável duração do processo, o que motivou surpreendente decisão do Juízo da 10ª. Vara da Fazenda Pública, senão vejamos:
a.)Incidente de Impedimento: declarou improcedente o mérito do processo sob a alegação, PASMEM, que a anuência do promotor não poderia ser rigorosamente qualificado como ato de má-fé.
b.)Embargos de Declaração que dissecam contradições, obscuridades e omissões da sentença preliminarmente prolatada: não acolhidos, a despeito de os autores do recurso serem os mesmos do incidente de impedimento; como isto é possível, se para se abrir incidente processual deve-se estar previamente habilitado no processo principal?
Bem, diante de tudo o que se verificou nesta controversa ACP, os seguintes recursos e incidente foram subsequentemente interpostos:
a.)Embargos dos embargos: com a participação de mais dois cidadãos, que também são sócios do Clube Náutico, na condição de terceiros juridicamente prejudicados porquanto afetados na questão patrimonial de suas cotas parte no clube, interpusemos embargos aos embargos supostamente não acolhidos.
b.)Embargos de Declaração da sentença por improcedência do Incidente de Impedimento: se o promotor que se posicionou contrariamente ao objeto da ACP que promoveu fosse impedido, com certeza teríamos representante do Ministério Público sem qualquer possibilidade de configuração de má-fé, posto que o próprio Juízo da 10ª. Vara da Fazenda Pública não conseguiu assegurar a conduta do titular da I Promotoria Especializada do Meio Ambiente, Planejamento Urbano e Patrimônio Histórico do Ministério Público – MP-CE como sendo de boa-fé.
c.)Abertura de Incidente de Suspeição: há alguma dúvida quanto à conduta do titular da I Promotoria Especializada do Meio Ambiente, Planejamento Urbano e Patrimônio Histórico do Ministério Público – MP-CE em relação a suas intenções com vistas ao resultado da ACP? Depois de fugir por mais de dois anos, numa verdadeira “perseguição de gato e rato” entre o Juízo da 10ª. Vara da Fazenda Pública e o referido representante do Ministério Público, vem o mesmo alegar a observância do princípio da razoável duração do processo para ver julgado os Embargos de Declaração do feito logo após a rejeição do tombamento estadual do Clube Náutico pelo Conselho de Preservação do Patrimônio Cultural – COEPA, objeto de recurso administrativo pelo Movimento Náutico Urgente?
Bem, um dos Embargos de Declaração não foi acolhido pelo Juízo da 10ª. Vara da Fazenda Pública sob a alegação de ilegitimidade dos autores, sendo que, neste caso, temos não somente os cidadãos originalmente embargantes, como também sócios do clube com ações judiciais que sofrem afetação da decisão da presente ACP.
Vamos conhecer o teor da decisão prolatada, havendo chances de esta ser uma mera decisão interlocutória, o que nos permitirá recorrer por meio de Agravo de Instrumento, já que há exceção de suspeição em aberto a título de processo em dependência da ACP, impedindo-a, em nosso entendimento, de ser julgada em 1ª. Instância. Mas como “em cabeça de juiz e bumbum de nenê tudo pode advir”, sem conhecermos o conteúdo do “decisum”, não há como proferirmos quaisquer considerações mais consistentes a respeito de seu caráter.

De Belchior:
“Não! Eu não sou do lugar dos esquecidos!

Não sou da nação dos condenados!
Não sou do sertão dos ofendidos!
Você sabe bem: Conheço o meu lugar!”

“Murmúrios,
A terra toda
descerra os lábios negros.
E mais forte
do que o estampido de um furacão
ouve-se o grito:
‘Jurai
que a mais ninguém haveis de ceifar!’
E eis que, saindo das tumbas,
os ossos enterrados se cobrem de carne”.
(do maior poeta soviético de todos os tempos, Vladímir Vladimírovitch Maiakovski).

Até o próximo final de semana!



Aderbal Lula Aguiar
Náutico Urgente.ECO

sexta-feira, 4 de maio de 2018

REALIDADE-ARTIGO PUBLICADO NO DIARIO 04/05

Realidade

Entendemos que os dois grandes problemas do nosso tempo são as questões envolvendo a paz e a jus­tiça social. No atual estágio da humanidade, destacam-se como fundamentais os direitos à vida e à liberdade, como também o direito de se ter o mínimo indispen­sável para alcançar a cidadania. Ações precisam ser concebidas visando buscar uma melhor justiça distributiva, consequentemente uma organização socialmente justa. A vida é mais agradável e bela quando percebemos a presença da amizade e a ausência da inveja e do ódio. Torna­-se básico a exaltação dos valores internos e morais, para que possamos buscar felicidade e esperança. Vivemos dias de expectativas, para não dizer de intranquilidade e angústia, no contexto mundial. Em todas as nações, da mais rica às mais pobres, existem problemas relacionados com a falta de entendimen­to, humildade, justiça, amor e paz. A supremacia dos valores materiais sobre os espiritu­ais é a grande responsável pelo atual desajuste universal. Quando dizemos valores espirituais não esta­mos nos referindo e também nos restringindo a uma determinada religião, doutrina ou seita. Vale lembrar Mahatma Gandhi: "Considero-me hindu, cristão, muçulmano, judeu, budista e confuciano". Não podemos mais conviver corn guerras, terrorismo, disputas inócuas, enfim, com qualquer tipo de violência política, social, econômica, etc. A discriminação entre as pessoas, por exemplo, repre­senta a forma mais cruel de coação, permitindo o constrangimento físico ou moral. A falta de solida­riedade leva ao desentendimento, à intolerância e ao comportamento irracional. Não queremos um mundo preconceituoso.
Gonzaga Mota
Professor aposentado da UFC

COLUNA DO VICENTE ALENCAR EDIÇÃO Nº 1268

COLUNA DO VICENTE ALENCAR
EDIÇÃO Nº 1268
04 DE MAIO DE 2018
SEXTA-FEIRA
FORTALEZA
- Capital Brasileira do Artesanato.
CEARÁ
- A Terra da Luz.
BRASIL
- Lutando pelo seu grander destino. Abaixo os corruptos!
AMÉRICA DO SUL
- Nós somos sul-americanos.

Colaboradores: Fernandoo de Alencar, Ângelo Barreto, Maria Freitas,Victor Nunes, Celina Freitas.

SESSAO SOLENE 
da Academia Cearense de Literatura e Jornalismo hoje, sexta-feira, às 19 horas e 30 minutos na Academia Cearense de Letrasa (Palácio da Luz), Rua do Rosário, 01, olhando para a Igreja do Rosário, no Centro.

No corpo dos acontecimentos homemnagem a memória do Membro Benémerito Miguel Dias de Sousa, recentemente falecido, apresentação da Academia Maria Ester de Leitura e escrita, entrega do título de Membro Benemérito a Alberto Bardawil, da Rede União.

Também homenagem a atriz Karla Karenina e ao Cordelista Braulio Bessa.

Os trabalhos serão dirigidos pelo Presidente Reginaldo Vasconcelos, com a presença do Presidente Emérirto Rui Martinho.

Todos os Presidentes de Academias e entidades culturais foram convidados e deverao se fazer presentes.


BEBIDA EM ESTÀDIOS? JAMAIS! A SUA VENDA DEVE CONTINUAR PROIBIDA para não provocar ainda mais problemas.

ATENÇÃO TROVADORES DA CAPITAL E DO INTERIOR:
A União Brasileira de Trovadores - UBT FORTALEZA está convidando todos os seus membros para a Reunião deste mês de Maio, neste sábado às 9 horas e 30 minutos, prosseguindo até 11 horas e 50 miunutos na Casa de Juvenal Galeno (Rua General Sampaio, 1128, no Centro).

OS TROVADORES que desejarem podem levar suas últimas produções para serem apresentadas  no decorrer da 
reunião.

ENTRE todos aqueles que estão comparecendo com maior frequência convidados Modesto, Udine, Airton Marinho, aslém dos amigos de Maranguape, Jaguaribe, Itapipoca, Pentecoste,  Ocara, Maracanau e todos os municípios onde os TROVADORES se apresentam ou residem.

TROVA É VIDA, TROVA É EMOÇÃO, TROVA É AÇÃO.

Estamos no aguardo do retorno da França de uma de nossas Diretoras. A conselheira Zenaide Marçal que deve retornar do Velho Mundo neste mês de maio.

Ficaremos felizes com a presença de Presidentes de outras entidades como a Academia Feminina de Letras, Academia Cearense de Letrass e Artes, Associação Cearense de Escritores, Academia de Letras Juvenal Galeno, Academia de Letras e Artes do Nordeste-ALANE, Academia Cearense de Literatura e Jornalismo, Academia Cearenss de Artes Plásticas, Grupo de Estudos do Cangaço do Ceará e todas as outras.

Confirmaram presença dirigentes da Sociedaede cearense de Geografia e História, Academia Cearense de Cultura e Arte-ACCA,  Academia Cearense de Poesia, Sociedade de Cultura Latina do Estado do Ceará e Academia Cearense de Médicos Escritores-ACEMES.


FUME, FUME MUITO! VOCE MORRERÁ MAIS CEDO E DEIXARÁ O AR MAIS PURO PARA OS SOBREVIVENTES QUE NÃO FAZEM USO DO TABACO.

LEIAM E PRESTIGIEM OS AUTORES CEARENSES:

- Livro: As Pirâmides do Egito e o palpite do Ceará. Autor: Natalicio Barroso.

- Livro: Meu Percurso na Universidade. Autor: Antonio de     Albuquerque Sousa Filho.

- Livro: Consagração à Poesia - poemas, discursos, artigos.
  Autor: Linhares Filho.

- Livro: Jesus - Senhor da vida e Rei do universo. Autor; Eduardo Fontes.


- Livro: Sonetos de uma vida. Autor: Almir Gomes de Castro.

- Livro: Imagens do Caminho.  Autora: Dina Avesque.

- Livro: Viver, Simplesmente. Autora: Celma Prata.

- Livro: Eutimia - O segredo da felicidfade essencial.
             Autor: Reginaldo Vasconcelos.

- Livro: Além do mais... Autor: José Maria Chaves.

- Livro: Lilazes - Autora: Aurila Carneiro.

- Livro: na Quietude da noite. Autora: Célia Oliveira.

- Livro: Raízes do Tempo. Autora: Beatriz Alcântara.

- Livro: Nossas Caminhadas. Autor: Francisco Nóbrega Teixeira. 

- REVISTA DA ACEVET - Academia Cearense de Veterinária - Vários Autores.

- Livro: O Ceará é Assim. Autor: Filgueira Sampaio.

- Livro: Memorial Barbara de Alencar  &  Outros poemas.

- Livro: Roberto Landel de Moura. Autor> Djacyr de Souza.

- Livro: Mais Coração do que Carne e Osso. Autora: Regine l
  Limaverde.
  
- Livro: DEUS - Falando em Poesias. Autor: José Gilardo Gomes. 

-  Livro: um Mar de Saudades - Na Transversal do Tempo.
    Autor: Francisco José Costa Eleutério.

- Livro: Do Coração de um Médico poeta. Autor: Dirceu Vasconcelos.

- Livro: Passageiro do Tempo. Autor; Ubiratan Aguiar.

- Livro: Chão e Pegadas - Autor: Silvio dos Santos Filho.

- Livro: O resto de teu corpo no aquário. Autora: Tércia Montenegro.

- Livro: Dinastia de Mômo. Autor: Francisco Fêlix.

- Livro: Fatos Intertessantes e Pitorescos - Autor: Padre
  Antonio Vieira.

- Livro: Trovejo de Trovas. Autor; João Gomes da Silveira.

- Livro: Vidaversos. Autor: Osmar Maia Diógenes.

- Livro: Poetas do Ceará. Autor; Raimundo Araújo.

Casa de Livros Usados "SEBO" O GERALDO
Rua 24 de Maio, 950, quase esquina com Rua Pedro I.
Livros a partir de 5 reais.
Aberta de 8 às 17 horas.
Aos sábados de 8 às 12 horas.

LIVRARIA DO AUTOR CEARENSE
(Livraria do Gonzaga)
Livreiro: Gonzaga Mota (ex-Governador do Estado do
Ceará).

Membro da Academia Metropolitana de Fortaleza e Academia de Letras Juvenal Galeno.

Endereço da Livraria: Rua Beni carvalho, 159.
Conjunto 104. 

Comnunicação com esta coluna:
vicentealencar25@yahoo.com.br